terça-feira, 31 de agosto de 2010

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Wake up and SMELL the apocalypse


Slavoj Žižek: Wake up and smell the apocalypse

Is touchy-feely environmentalism a new opiate of the people? Why are we paying rent to Bill Gates? Is reality incomplete? Marxist cultural commentator Slavoj Žižek, the man they call the most dangerous philosopher in the west, unravels it all for Liz Else

Your new book, Living in the End Times, is about the demise of global capitalism. What is science's place in all this?

Science is completely entangled with capital and capitalism. It is simultaneously the source of some threats (such as the ecological consequences of our industries or the uncontrolled use of genetic engineering), and our best hope of understanding those threats and finding a way to cope with them.

Given the book's title, it's no surprise that it also features the four horsemen of the apocalypse, which you identify with four major threats you say we face.

For me, remember, apocalypse means revelation, not catastrophe. Take the threat to our ecology. Until recently, the main reaction to ominous news such as Arctic sea ice melting faster than predicted was, "We are approaching an unthinkable catastrophe, the time to act is running out." Lately, we're hearing more voices telling us to be positive about global warming. True, they say, climate change increases competition for resources, flooding, the stresses on animals and indigenous cultures, ethnic violence and civil disorder. But we must bear in mind that thanks to climate change the Arctic's treasures could be uncovered, resources become more accessible, land fit for habitation and so on.

So it's business as usual?

Yes. But whatever the truth of the predictions about how much oil and gas are locked up in the Arctic, for me an extraordinary social and psychological change is taking place in front of our eyes: the impossible is becoming possible. We know the ecological catastrophe is possible, probable even, yet we do not believe it will really happen. Once the catastrophe occurs, it will be perceived as part of the normal run of things, as always having been possible.

Does that mean the way that we think about such threats is wrong?

Yes. One reason is to do with how certain environmentalists delight in proving that every catastrophe - even natural ones - is man-made, that we are all guilty, we exploited too much, we weren't feminine enough. All this bullshit. Why? Because it makes the situation "safer". If it is us who are the bad guys, all we have to do is change our behaviour. But in fact Mother Nature is not good - it's a crazy bitch.

So what should we do instead?

The fear is that this bad ecology will become a new opiate of the people. And I'm against the ecologists' anti-technology stance, the one that says, "we are alienated by manipulating nature, we should rediscover ourselves as natural beings". I think we should alienate ourselves more from nature so we become aware of the utter contingency, the fragility of our natural being.

We should alienate ourselves more from nature to be aware of our fragility

Another of your "horsemen" is research into biogenetics. What's your problem with that?

Craig Venter may dream of creating the first "trillion-dollar organisms" - patented bugs excreting biofuels, generating clean energy or producing tailor-made food. There are, of course, more sinister possibilities: for example, synthesising new viruses or other pathogens.

But I think the problem runs deeper in many ways. For example, such extreme genetic engineering will create substantially different organisms: we'll find ourselves in a terrain full of unknowns. These dangers are made worse by the absence of public control, so profiteering industrialists can tinker with the building blocks of life without any democratic oversight.

You were in China recently and got a glimpse of what's happening in biogenetics there.

In the west, we have debates about whether we should intervene to prevent disease or use stem cells, while the Chinese just do it on a massive scale. When I was in China, some researchers showed me a document from their Academy of Sciences which says openly that the goal of their biogenetic research is to enable large-scale medical procedures which will "rectify" the physical and physiological weaknesses of the Chinese people.

Do these issues arise from problems about what humans are becoming, and the relationships between the public and the private?

Yes. These are problems of the commons, the resources we collectively own or share. Nature is commons, biogenetics is genetic commons, intellectual property is commons. So how did Bill Gates become the richest man on earth? We are paying him rent. He privatised part of the "general intellect", the social network of communication - it's a new enclosure of the commons. This has given a new boost to capitalism, but in the long term it will not work. It's out of control.

Take a bottle of water: I produce it, you buy it. If I drink it, you cannot. Knowledge is exactly the opposite. If it freely circulates, it doesn't lose value; if anything, it gains value. The problem for companies is how to prevent the free circulation of knowledge. Sometimes they spend more money and time trying to prevent free copying than on developing products.

Despite your critique, you are positive about science?

I have a very naive Enlightenment fascination with it. I have total admiration for science.

Should philosophers be helping scientists?

Yes. For the last few decades, at least in the humanities, big ontological questions - What is reality? What is the nature of the universe? - were considered too naive. It was meaningless to ask for objective truth. This prohibition on asking the big questions partly accounts for the explosion of popular science books. You read Stephen Hawking's books as a way to ask these fundamental, metaphysical questions. I think that era of relativism, where science was just another product of knowledge, is ending. We philosophers should join scientists asking those big metaphysical questions about quantum physics, about reality.

And what is your take on reality?

There is an old philosophical idea about God being stupid and crazy, not finishing his creation. The idea is that God (but the point is to think about this without invoking God), when he created the world, made a crucial mistake by saying, "Humans are too stupid to progress beyond the atom, so I will not specify both the position and the velocity of the atom." What if reality itself is rather like a computer game where what goes on inside houses has not been programmed because it was not needed in the game? What if it is, in some sense, incomplete?

All these complex ideas... how do we come up with them?

I like Stephen Jay Gould here: intelligence, language and so on are exaptations, by-products of something which failed. Say I am using my cellphone - I become fully aware of it only when something goes wrong. We ask the big metaphysical questions even though we cannot solve them, and as a by-product we come up with wonderful, solid knowledge.


Philosopher Slavoj Žižek is a senior researcher at the Institute of Sociology, University of Ljubljana, Slovenia, and international director of the Birkbeck Institute for the Humanities at Birkbeck, University of London

quarta-feira, 25 de agosto de 2010


Enseigner, c'est apprendre deux fois.
Joseph Joubert


* Ensinar, é aprender duas vezes.


O colapso do PSDB

Por Vladimir Safatle*
Folha de S.Paulo - 23/Agosto de 2010

Há algo de melancólico na trajetória do PSDB. Talvez aqueles que, como eu, votaram no partido em seu início, lembrem do momento em que a então deputada conservadora Sandra Cavalcanti teve seu pedido de filiação negado. Motivo: divergência ideológica.

De fato, o PSDB nasceu, entre outras coisas, de uma tentativa de clarificação ideológica de uma parcela de históricos do MDB mais afeitos às temáticas da socialdemocracia européia.

Basta lembrarmos dos votos e discussões de um de seus líderes, Mario Covas, na constituinte.

Boa parte deles iam na direção do fortalecimento dos sindicatos e da capacidade gerencial do Estado. Uma perspectiva contra a qual seu próprio partido voltou-se anos depois.

A história do PSDB parece ser a história do paulatino distanciamento desse impulso inicial. Ao chegarem ao poder federal, os partidos socialdemocratas que lhe serviram de modelo (como os trabalhistas ingleses e o SPD alemão) haviam começado um processo irreversível de desmonte das conquistas sociais que eles mesmos realizaram décadas atrás.

Um desmonte que foi acompanhado pela absorção de suas agendas políticas por temáticas vindas da direita, como a segurança, a imigração, a diminuição da capacidade de intervenção do estado, entre outros.

Este movimento foi reproduzido pelo governo de Fernando Henrique Cardoso.

Assim, víamos uma geração de políticos que citavam, de dia, Marx, Gramsci, Celso Furtado e, à noite, procuravam levar a cabo o "desmonte do estado getulista", "a quebra da sanha corporativa dos sindicatos", ou "a defesa do Estado de direito contra os terroristas do MST".

O resultado não foi muito diferente do que ocorreu com os partidos socialdemocratas europeus.

Fracassos eleitorais se avolumaram, resultantes, principalmente, de uma esquizofrenia que os faziam ir cada vez mais à direita e, vez por outra, sentir nostalgia de traços ainda não totalmente extirpados de discursos classicamente socialdemocratas. No caso alemão, o SPD acabou prensado entre uma direita clara (CDU, FDP) e uma esquerda renovada (Die Linke).

No caso brasileiro, esta eleição demonstra tal lógica elevada ao paroxismo. Assistimos agora ao candidato do PSDB ensaiar, cada vez mais, um figurino de Carlos Lacerda bandeirante; com seu discurso pautado pela denúncia do aumento galopante da insegurança, do narcotráfico, do angelismo do governo com o terrorismo internacional das Farc e, agora, o risco surreal de "chavismo" contra nossa democracia.

Um figurino que não deixa de dar lugar, vez por outra, a uma defesa de que é de esquerda, de que recebeu palavras carinhosas de Leonel Brizola, de que vê em Lula alguém "acima do bem e do mal" etc.

Nesse sentido, o caráter errático de sua campanha não é apenas um traço de seu caráter ou um problema de cálculo de marketing.

Trata-se do capítulo final da dissolução ideológica de uma sigla que só teria alguma chance se tivesse ensaiado algo que o PS francês tenta hoje: reorientação programática a partir de um discurso mais voltado à esquerda e (algo que nunca um tucano terá a coragem de fazer) autocrítica em relação a erros do passado.

(*) Professor no departamento de filosofia da USP

terça-feira, 24 de agosto de 2010


Ainda, ainda, ainda... pianos.

"... para que minha mãe possa orgulhosamente falar do filho dela..."


domingo, 22 de agosto de 2010


Reason is always a region carved out of the irrational—it is not sheltered from the irrational at all, but traversed by it and only defined by a particular kind of relationship among irrational factors. Underneath all reason lies delirium and drift. Everything about capitalism is rational, except capital…A stock market is a perfectly rational mechanism, you can understand it, learn how it works; capitalists know hot to use it; and yet what a delirium, it’s mad…It’s just like theology: everything about it is quite rational—if you accept sin, the immaculate conception, and the incarnation, which are themselves irrational elements.”

-- “On Capitalism and Desire,” interview with Deleuze and Guattari in Actuel, reprinted in Desert Islands and Other Texts, ed. Sylvère Lotinger, trans. Michael Taormina (New York: Semiotext(e), 2004), p. 157.

Citado por Daniel Smith

...vous etes...

Deleuze, em "Deux régimes de fous" (pub. póstuma)

« c’est qu’il concerne avant tout ceux qui ne rêvent pas. […] Pourquoi cela les concerne-t-il ? Parce que dès qu’il y a rêve de l’autre il y a danger [je souligne, CR]. Le rêve des gens est toujours un rêve dévorant [je souligne, CR], qui risque de nous engloutir [je souligne, CR]. Que les autres rêvent, c’est très dangereux. Le rêve est une terrible volonté de puissance. Chacun de nous est plus ou moins victime du rêve des autres. Même quand c’est la plus gracieuse jeune fille, c’est une terrible dévorante [je souligne, CR], pas par son âme, mais par ses rêves. Méfiez-vous du rêve de l’autre, parce que si vous êtes pris dans le rêve de l’autre, vous êtes foutu » (p. 297).

Citado por Charles Ramond

Doutores e Doutorados


JC e-mail 4046, de 06 de Julho de 2010.

17. Professor da UnB critica a formação de doutores no Brasil

Para Marcelo Hermes, do Departamento de Biologia Celular da Universidade de Brasília, daqui a quinze anos o país não terá capacidade de fazer ciência de ponta "porque toda a geração se aposentou e os atuais não foram formados adequadamente"

No último dia 10, os consultores do Centro de Gestão de Estudos Estratégicos (CGEE), ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia, apresentou um estudo que concluiu, dentre outros, uma taxa média de 11,9% de crescimento ao ano do número de doutores no país. Para falar da expansão da pós-graduação no Brasil, a ADUNB entrevistou o professor do Departamento de Biologia Celular, Marcelo Hermes. Confira a seguir:

- O estudo do CGEE mostrou que entre 1996 e 2008 o número de doutores titulados no Brasil cresceu 278%. O que o senhor acha da expansão da pós-graduação no país?

A minha visão é contrária à expansão da pós-graduação, especialmente do doutorado. A maioria das pessoas acreditam que o crescimento no Brasil - e na UnB também - é positivo. A taxa de aumento, alguns anos atrás, chegou a variar entre 10% e 20%, um crescimento chinês. E todo mundo comemora isso, exceto alguns poucos. Eu acho que é um crescimento exagerado. Aliás, responder isso agora ficou mais fácil, desde que o país entrou no chamado super aquecimento. Esse crescimento de 9% ao ano o qual o país não suporta, já que não temos estrutura física para tanto bussines. E a mesma coisa acontece na pós.

- Como é essa comparação?

Para se ter pós-graduação são necessárias quatro coisas: os alunos, que querem fazer pós; os professores, que vão orientar e dar aula; os cursos e, claro, dinheiro. Dinheiro não tem sido o problema. Então o que acontece? Você tem um crescimento muito grande tanto no número de cursos, de alunos e de orientadores. Um olhar desatento, pensa "que bom!". Não. Muito pelo contrário. O país está andando para trás com esse crescimento exagerado da pós. Primeiro porque os professores têm uma capacidade finita de orientar. Antigamente, cada professor orientava cinco, hoje está orientando dez alunos. E isso causa uma queda da qualidade. Obviamente, você não consegue dedicar suficiente tempo para orientar esses alunos. Para formar doutores é preciso um trabalho artesanal. Eles têm que ser treinados, pois podem se transformar em orientadores no futuro. Além disso, nem todos têm capacidade de ser orientadores. Tem muita gente que não tem a formação técnica e a capacidade de orientar. E nem todo mundo tem a qualificação necessária para ser orientador de doutorado. E com esse crescimento exagerado, a pós está pegando vários professores que não têm a menor capacidade de orientar, mesmo que não queiram, porque vão pegar uns pontos a mais, vão ter uma promoção. Outro problema é a existência de alunos que não deveriam estar fazendo doutorado, porque não tem capacidade para isso.

- O senhor acredita, então, que nem todo mundo está apto a fazer um doutorado?

Sim. É curioso que hoje já entendemos que nem todo mundo deve fazer graduação. O candidato à presidência José Serra, por exemplo, está fazendo campanha pelo ensino técnico. A ideia é: o que adianta sair com um diploma de administração se você não vai administrar uma empresa? O problema é o mesmo no doutorado. Sendo muito otimista, acredito que metade desses milhares de alunos de doutorado é composta pelos que eu chamo de "doutores mobral", o doutor analfabeto, que mal sabe ler um artigo científico, quanto mais escrever. O Brasil quer formar doutores, então vamos formar de verdade.

- Existe algum outro fator que contribua para a baixa qualidade na formação desses doutores?

Um fenômeno atual é o caso de pessoas que se formaram em faculdades particulares estarem ingressando na pós-graduação. São alunos mais fracos, isso é um fato. Mas estão entrando porque a pós está expandindo. Eu diria que 90% da produção de doutores vêm das faculdades públicas. E diria ainda que 90% dos que vêm das particulares são fracos. Essa produção vai crescer, depois vai estabilizar e lá para 2025 vai começar a cair, porque vai ser quando os atuais orientadores vão se aposentar. Pode até ser que a produção de teses continue a crescer infinitamente. Só que essa segunda geração de "doutores Mobral" vai produzir a tese e não publicar ciência, a menos que as revistas também baixem muito o nível.

- Não existe reprovação em pós-graduação?

Praticamente não tem. 99,9% das pessoas são aprovadas no mestrado. O orientador corrige a tese antes de entregar para banca e muitas vezes a própria banca também reescreve a tese. Então a tese acaba não sendo mais do aluno, não é mais personalizada.

- Qual o motivo para o investimento no crescimento da pós-graduação no Brasil?

Para ter produção de ciência deve existir mão de obra para fazer pesquisa. E quem é que faz a pesquisa? O pesquisador coordena; 80% das pesquisas são feitas por alunos de doutorado. São eles a mão de obra. A Capes entendeu que, ao expandir ao máximo o doutorado, maior a produção e quantidade de resultados. A cada ano aumenta o número de alunos formados doutores e a cada ano aumenta o número de trabalhos publicados. A própria Capes usa isso como propaganda para mostrar como é positivo esse aumento do doutorado no Brasil. Fazem questão de divulgar que o Brasil, a cada ano, eleva sua posição no ranking de países que produzem ciência, ocupando o 14º lugar. Mas isso é criminoso: você forma o doutor para produzir a média de dois artigos. E é isso o que ele vai fazer. Veja o custo do país para formar uma pessoa cujo objetivo é fazer dois artigos. E, muitas vezes, quem vai escrever é o orientador, pois ele não tem condição de fazer isso. Porque é tudo muito rápido, prazos restritos e tem que fazer funcionar. O crescimento da ciência e da pós-graduação brasileira é uma neoplasia, um tumor e um dia isso vai explodir.

- O senhor acha que essa situação se sustenta no futuro?

Seria sustentável se as pessoas vivessem para sempre. Mas as pessoas morrem, se aposentam. Essa política está completando 6, 7 anos. Começou na era FHC em que se estimulavam os pesquisadores a publicar. Na era Lula a pressão é para se publicar o máximo que puder. Então os estudantes que estão sendo formados agora e que estão sendo ultra pressionados não sabem fazer pesquisa direito. Está sendo uma formação a jato, massificada, e quero ver essas pessoas quando a minha geração morrer ou aposentar. Quero ver se eles vão dar conta do recado, porque eles não tiveram a formação necessária. E quero vê-los formando outros profissionais dentro dessa visão de mega-produção de baixa qualidade. A minha crítica não é à publicação. Sou "produtivista". Mas sou contra ao mega-produtivismo.

- O senhor acha que esse panorama é contornável?

O que está acontecendo no Brasil é uma farsa e uma fraude com dinheiro público. Se fosse algo que pudesse ser resolvido mudando a política, mas não é. Será um "dano irreparável". Eu diria hoje, sem problemas, que temos de 30 a 40 mil doutores "Mobral" no Brasil, disputando empregos. Qual o problema para o Brasil? Imaginamos o país daqui a quinze anos sem capacidade de fazer ciência de ponta porque toda a geração se aposentou e os atuais não foram formados adequadamente.

- Como o senhor acha que essa questão do crescimento da pós-graduação é vista pelos outros pesquisadores?

Eu fiz uma pesquisa, publicada em 2008 em uma revista canadense, em que entrevistei vários colegas pesquisadores, selecionados ao acaso, sobre o que eles achavam da pós-graduação brasileira em vários aspectos. A grande maioria, e eu comparei com alguns señiors latino americanos (mexicanos, argentinos e chilenos), critica esses problemas de regras muito ruins da pós-graduação, de overwork e má qualidade dos recém-doutores sendo formados. O doutor tem que ser qualificado. Na minha área (Ciências Biomédicas) ele tem que ser capaz de propor um projeto de pesquisa, de executar esse projeto de pesquisa, de montar uma equipe, de buscar verba para isso, de publicar em periódicos internacionais, de ser avaliador de outros artigos, de dar palestras. Eu e os pesquisadores que entrevistei acreditamos que a maioria que está sendo formada não tem mais essas qualificações. Algumas pessoas falam que a qualidade do ensino como um todo está caindo. Não gosto de analisar por esse viés, não sou sociólogo. As coisas são mais simples: a pressão é muito grande, não está havendo tempo de formar as pessoas. Por exemplo, tenho um amigo no campus da Unifesp, que é professor titular, que reprovou os 10 candidatos de um concurso para professor e todos tinham doutorado. Que "ótimos" doutores.

(ADUnB, 1/7

sábado, 21 de agosto de 2010


A Profa. Dra. Gercileni Campos será a convidada do Curso de Psicologia das Faculdades Nordeste (FANOR) a propósito das celebrações do Dia do Psicólogo em 2010. Nesta ocasião, em 25 de agosto (quarta-feira), às 19h30, no Auditório II, a convidada estará compartilhando suas experiências e reflexões acerca das trajetórias de formação pessoal e profissional dos jovens psicoterapeutas. Gentileza divulgar entre Listas e Grupos. Evento Gratuito.

(Contatos: Coordenação de Psicologia/FANOR, Tel. 85 - 3052.4874; Endereço FANOR: Av. Santos Dumont, 7800 - Dunas, Fortaleza)

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Daniel Cohn-Bendit



A revolução cultural na visão de um protagonista

Daniel Cohn-Bendit, político alemão do partido ecologista Die Grünen da Alemanha, Deputado do Parlamento Europeu desde 1994 e presidente do grupo parlamentar Grupo dos Verdes/Aliança Livre Europeia. Membro da Federação Anarquista e depois do movimento "Negro e Vermelho", definiu-se mais tarde como liberal-libertário.

Foi um dos principais líderes estudantis dos movimentos populares de maio de 68 em Paris. Na época, foi chamado de "Danny o vermelho" devido à cor do cabelo e à sua postura política de esquerda. Entre suas obras estão O novo livro dos Verdes (Piaget, 2001), O Grande Bazar (Brasiliense, 1988), Nós que amávamos tanto a revolução (Brasiliense, 1985) e Da ecologia à autonomia (Brasiliense, 1981).

23 de Agosto

Daniel Cohn-Bendit

A Mutação das Utopias

Salão de Atos da UFRGS
Av. Paulo Gama, 110 – Bairro Farroupilha

Curating, Curadoria


by James Croak

Beryl Graham and Sarah Cook, Rethinking Curating: Art after the New Media (London: MIT Press, 2010) 354 pp., $34.95.

Hegel noted in his Ästhetik that "art had worked itself out" and was being displaced by rational inquiry, a continent drift from sense to sensibility that began during his time and has accelerated in ours. Soon after, with the development of photography, followed by the Zoetrope in 1834 and Eadweard Muybridge’s Zoopraxiscope, the first movie player, in 1879, image-making was thoroughly embedded in machines.

Such variance of the fine arts developed incrementally until the 1960s, when what we might now call "New Media" began appearing with a vengeance as artists like Nam June Paik and Wolf Vostell picked up video and the Fluxus group undertook a variety of multiple-media performances.

Today the types of New Media already on the ever-expanding list are so numerous as to make one dizzy: Motion Graphics, Bio-art, Information Art, Net Art, Systems Art, Glitch Art, Hacktivism, Robotic Art, GPS Tracking, and others. How does one gather it all together?

In Rethinking Curating, the learned authors Beryl Graham and Sarah Cook, both from the University of Sunderland, rankle at the term New Media, but will not offer a substitute. They do try out "Turing-land," inspired of course by the computer pioneer Alan Turing, and they fancy "post-media."

In any case, we are encouraged to "use verbs of behavior rather than nouns of medium." This verb-not-noun notion appeared in Buckminster Fuller’s poem God Is a Verb, published by the Whole Earth Catalog in 1968, and indeed the authors continue Fuller’s notions of interactivity and dynamic systems, producing their own Whole Earth Catalog for curators.

Rethinking Curating contains an exhausting compilation of New Media art, ranging from Rafael Lozano-Hemmer’s telematic 2001 Body Moves, where a computer produces images in response to spectator activity, to Andreja Kuluncic’s 2001 Distributive Justice (with multiple co-authors), an internet game and exhibition that arises from a web-based voting system.

Also included are historical works. The chapter "Time," for instance, features the 1968 chess match between Marcel Duchamp and John Cage wherein the chessboard was wired to generate a musical composition based upon their chess moves -- the sound of strategy, so to speak.

What role might a curator play in these interactive programs? Graham and Cook suggest that he or she "act as the gracious host between the artwork and the audience -- provide a platform." This strikes me as a little thin, like holding a sort of art-world Tupperware party. In the chapter "Other Modes of Curating," the authors note a problem at art festivals, which can show "a tendency to treat media artists as if they were immaterial themselves," which cultivates a "financial volunteerism" on the part of artists, who are expected to pony up the costs of their project themselves.

Other nuts-and-bolts advice is given in chapters such as "The Embedded Curator," "The Adjunct Curator" and "The Independent Curator." The job continues on the authors’ website, CRUMB, a giddy acronym for Curating Resource for Upstart Media Bliss, designed to air these issues as they develop.

One issue has been that of quality, as Steven Dietz pointed out ten years ago (he wrote the foreword for this volume), it’s not what it looks like but what it does. Today, with all manner of digital art in our contemporary museums, it’s hard to follow an argument that it is unsightly. Still, this book presumes to discover a critical framework for judging New Media art, in part through its own history.

Rethinking Curating is the latest issue from MIT Press’ Leonardo series, which is designed to be a think tank for areas of knowledge that are under rapid-fire development, especially those showing a convergence of disciplines like New Media. And indeed, the book is both a teacher’s aid and a scholarly document, with a bibliography that runs to an impressive 35 pages.

As a sculptor, I admit that my previous interest in New Media art has been only casual. This book opened my eyes to the vastness of behaviors in Turingland, and I can see it becoming part of a standard syllabus for museum studies.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010


Johann Wolfgang Goethe.
Aus meinem Leben. Dichtung und Wahrheit.
Sechstes Buch.

"(...) Nur durch das genauste Detail, durch unendliche Einzelnheiten, die lebendig alle den Charakter des Ganzen tragen und, indem sie aus einer wundersamen Tiefe hervorspringen, eine Ahndung von dieser Tiefe geben; nur auf solche Weise hätte es einigermaßen gelingen können, eine Vorstellung dieser merkwürdigen Persönlichkeit mitzuteilen:

denn die Quelle kann nur gedacht werden, insofern sie fließt.


Ver mais!


luv´ D&G

…means Deleuze&Guattari, babe

1972 | L´Anti-Oedipe, capitalisme et schizophrenie

1975 | Kafka: pour une litterature mineure

1976 | Rhizome, extrait de Mille Plateaux

1977 | Politique et psychanalyse

1977 | Le pire moyen de fair l´Europe

1980 | Mille Plateaux, capitalism et schizophrenie

1991 | Que´est-ce que la philosophie?